Mulheres de Quarenta

A Mulher Madura não pega… ela toca.

A Mulher Madura não come… ela se alimenta.

A Mulher madura não provoca… ela é provocante.

A Mulher madura não é inteligente… ela é sábia.

A Mulher Madura não se insinua… ela sutilmente induz.

A Mulher madura não se precipita… ela mostra o caminho certo.

A Mulher Madura não nada… ela navega.
A mulher madura não voa… ela flutua.
A mulher madura não pensa em quantidade… ela pensa em qualidade.
A mulher madura não vê… ela observa.
A mulher madura não anda… ela caminha.
A mulher madura não deita… ela adormece.
A mulher madura não é pretensiosa… ela simplesmente gosta.
A mulher madura não julga… ela analisa.
A mulher madura não compara… ela assimila.
A mulher madura não acorda… ela desperta.
A mulher madura não coloca algemas… ela os deixa livre.
A mulher madura não enfeitiça… ela encanta.
A mulher madura não é decidida… ela apenas sabe o que quer.
A mulher madura não é exigente… ela é seletiva.
A mulher madura não se sente velha… ela se considera experiente.
A mulher madura não se lamenta… ela tenta fazer diferente.
A mulher madura não tem medo… ela tem receio.
A mulher madura não faz jura… ela deixa por conta do tempo.
A mulher madura não tira conclusões… ela faz suposições.
A mulher madura não desce do salto… ela tem jogo de cintura.
A mulher madura não brilha… ela é iluminada.
A mulher madura não dá tchau… ela acena.
A mulher madura não gosta de ser vigiada… ela prefere ser escoltada.
A mulher madura não é moderna… ela é elegante.
A mulher madura não quer ser cobiçada… ela quer ser desejada.
A mulher madura não possui sombras… ela tem aura.
A mulher madura não adivinha… ela tem percepção.
A mulher madura não faz sexo… ela é mestre na arte de fazer amor.
A mulher madura não fica… ela se envolve.
A mulher madura não é fácil… ela é flexível.
A mulher madura não manda… ela administra.
A mulher madura não aflora… ela é o florescer.
Enfim, a mulher madura é um conjunto de todas as belezas só possíveis a elas.
Mulher sensível, porém, guerreira… forte, sem perder sua feminilidade.
Muitos não possuem sensibilidade para perceber tal beleza, contudo, aqueles que a descobrem…
Preferem morrer nos braços dessa tal mulher, que não é Doce, mas que, simplesmente, é puro Mel.
Ricardo Garcia Domingues